Concursos Abertos Concursos 2020

Gabarito TJ PA Auxiliar Judiciário Direito Constitucional: POSSÍVEL RECURSO

Nathalia Masson Nathalia Masson comentários
20/01/2020, às 16:42 • 2 meses atrás

Olá, estimado aluno!

Ontem (domingo, dia 19.01.2020), foi realizada a prova do TJPA. Neste artigo, corrigirei com você as questões exigidas para o cargo de Auxiliar Judiciário. Já lhe adianto que entendo que a questão n° 28 DEVE SER ANULADA, pois são duas as alternativas corretas, logo, são dois os gabaritos que podem ser apresentados como resposta.

Bom, vejamos os comentários referentes a cada um dos itens de cada questão.

Um abraço amigo,

Nathalia Masson

26. Assinale a opção que apresenta um princípio que rege as relações internacionais do Brasil:

c) Prevalência dos direitos humanos

RESOLUÇÃO: Eis uma questão típica do CESPE! O examinador inseriu princípios fundamentais nas quatro alternativas; todavia, somente em uma temos um princípio que rege a República Federativa do Brasil nas relações internacionais. Enquanto nas alternativas ‘a’ e ‘e’ temos fundamentos da República (art. 1º, V e IV, CF/88); nas alternativas ‘b’ e ‘d’ temos objetivos fundamentais. (art. 3º, I e II, CF/88). Por isso, nossa resposta encontra-se na letra ‘c’, única assertiva que traz um princípio que rege nosso país em suas relações internacionais (art. 4º, inciso II).

27. A autonomia do Estado para gerir negócios próprios, pela ação administrativa do governador, denomina-se:

e) Autoadministração

RESOLUÇÃO: Sabemos que, em uma Federação, somente o Estado Federal (em nosso caso, a República Federativa do Brasil) é dotada de soberania. Os entes federados (que, em nosso país, são: a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios) são dotados, tão somente, de autonomia. Esta é representada pela possibilidade de exercer a tríplice capacidade: autogoverno (capacidade de escolher e eleger seus próprios representantes), auto-organização (capacidade de editar seu documento normativo principal próprio e todo o restante da legislação – sendo que esta última atribuição também é conhecida como autolegislação), e autoadministração (que é, justamente, a capacidade de gerir negócios próprios, cumprindo os ditames constitucionais). Portanto, a nossa resposta está na letra ‘e’.

DEVE SER ANULADA 28. A possibilidade de exclusão de cometimento ilícito por parlamentares decorre do instituto denominado:

b) Imunidade material

c) Inviolabilidade

RESOLUÇÃO: A imunidade material (prevista no caput do art. 53, CF/88) tem o condão de neutralizar, na esfera penal e civil, a responsabilização do parlamentar por suas opiniões, palavras e votos. É também intitulada inviolabilidade, imunidade substancial ou real. Assim, tanto as alternativas ‘b’ quanto ‘c’ poderiam ser assinaladas. Deste modo, por não haver uma única alternativa correta, A QUESTÃO DEVE SER ANULADA.

Ademais, repare que este entendimento (de quem a expressão ‘imunidade material’ equivale à ‘inviolabilidade’) não representa uma opinião isolada minha. Veja como José Afonso da Silva trata o tema:

A inviolabilidade, que às vezes, também é chamada de imunidade material, exclui o crime nos casos admitidos; o fato típico deixa de constituir crime, porque a norma constitucional afasta, para a hipótese, a incidência da norma penal.[1]

Bernardo Fernandes é da mesma opinião:

Pois bem, a imunidade parlamentar se subdivide inicialmente em: A) imunidade material: também chamada de imunidade substancial ou inviolabilidade.[2]

Marcelo Novelino, da mesma forma, indica no item 8.1 de seu Curso de Direito Constitucional, que a imunidade material também pode ser chamada de inviolabilidade[3].

Por fim, veja que o Ministro Alexandre de Moraes corrobora essa percepção:

A Constituição Federal prevê serem os deputados e senadores invioláveis, civil e penalmente, por quaisquer de suas opiniões, palavras e votos (art. 53, caput), no que a doutrina denomina imunidade material ou inviolabilidade parlamentar.[4]

Em sintonia com a doutrina, temos diversos julgados do STF. Por todos, veja o seguinte:

A garantia constitucional da imunidade parlamentar em sentido material (CF, art. 53, caput) – que representa um instrumento vital destinado a viabilizar o exercício independente do mandato representativo – somente protege o membro do Congresso Nacional, qualquer que seja o âmbito espacial (locus) em que este exerça a liberdade de opinião (ainda que fora do recinto da própria Casa legislativa), nas hipóteses específicas em que as suas manifestações guardem conexão com o desempenho da função legislativa (prática in officio) ou tenham sido proferidas em razão dela (prática propter officium), eis que a superveniente promulgação da EC 35/2001 não ampliou, em sede penal, a abrangência tutelar da cláusula da inviolabilidade. A prerrogativa indisponível da imunidade material – que constitui garantia inerente ao desempenho da função parlamentar (não traduzindo, por isso mesmo, qualquer privilégio de ordem pessoal) – não se estende a palavras, nem a manifestações do congressista, que se revelem estranhas ao exercício, por ele, do mandato legislativo. A cláusula constitucional da inviolabilidade (CF, art. 53, caput), para legitimamente proteger o parlamentar, supõe a existência do necessário nexo de implicação recíproca entre as declarações moralmente ofensivas, de um lado, e a prática inerente ao ofício congressional, de outro. (Inq 1.024 QO, rel. min. Celso de Mello). Grifos nossos.

29. O STF é competente para julgar:

a) Lei local válida contestada em face de lei federal por meio de recurso extraordinário.

RESOLUÇÃO: Nos termos do art. 102, III, ‘d’, CF/88 (com redação dada pela EC nº 45/2004) nossa resposta está na letra ‘a’, sendo o STF competente para julgar, em recurso extraordinário, a decisão que julga válida lei local que estava sendo contestada em face de lei federal. O RE é cabível na hipótese, haja vista estarmos diante de um conflito que envolve o tema repartição constitucional de competências. As letras ‘b’ e ‘c’ não são nossa resposta, por trazerem atribuições do STJ (art. 105, I, ‘a’, CF/88). Também as alternativas ‘d’ e ‘e’ expressam competências do STJ, nos termos do art. 105, I, ‘g’, CF/88.

30. Assinale a opção que apresenta o princípio constitucional que se aplica diretamente à carreira de defensoria pública:

e) Independência funcional

RESOLUÇÃO: Sabemos que, nos termos do art. 134, § 4º, CF/88, são princípios institucionais da Defensoria Pública a unidade, a indivisibilidade e a independência funcional. Assim, podemos assinalar a letra ‘e’ como nossa resposta. Lembremos que a inamovibilidade, mencionada na letra ‘a’, e prevista constitucionalmente no art. 134, § 1º, CF/88, como uma garantia (e não um princípio institucional) que se aplica à carreira de defensor público.


[1] SILVA, José Afonso da. Curso de direito constitucional positivo. 33. ed., rev. e atual. São Paulo: Malheiros, 2010. pg. 535.

[2] FERNANDES, Bernardo Gonçalves. Curso de Direito Constitucional. 6ª ed. rev., amp. e atual. Salvador: Juspodivm, 2014, p. 801.

[3] NOVELINO, Marcelo. Curso de Direito Constitucional. 11ª ed. rev. e atual. Salvador: Juspodivm, 2016, p. 600.

[4] MORAES, Alexandre de. Direito Constitucional. 32ª ed., São Paulo: Atlas, 2016, p. 713.

gabarito direito constitucional gabarito direito constitucional tj pa gabarito tj pa gabarito tj pa auxiliar judiciário gabarito tj pa auxiliar judiciário constitucional gabarito tj pa constitucional auxiliar judiciário

Nathalia Masson

Professora em Direção Concursos.

Comentários