Concursos Abertos Concursos 2021

10 pegadinhas comuns em Direito Penal e Processual Penal

Maurício Miranda Sá Maurício Miranda Sá comentários
26/03/2019, às 11:24 • 2 anos atrás


				<![CDATA[
						]]>

As disciplinas queridinhas daqueles que prestam concursos para as áreas policiais possuem pegadinhas de tirar o fôlego do candidato.

Quando estamos fazendo prova, é normal não lermos o comando e irmos direto ao enunciado. Isso é perigoso!

É preciso estar atento ao comando da questão e ao pedido no enunciado, pois, muitas vezes, a pegadinha está na combinação entre esses dois textos.

Pensando nisso, nós, do Direção Concursos, perguntamos ao professor Bernardo Bustani quais são 10 pegadinhas comuns cobradas em provas de Direito Penal e Processual Penal.

Confira abaixo:

1 – “Logo após” ou “logo depois”

Muita gente acha que o que define se o flagrante será impróprio ou presumido são os termos “logo após” ou “logo depois”.

A verdade é que, o que define a diferença entre os dois tipos é o núcleo central dos incisos, veja:

O flagrante impróprio é aquele no qual alguém é perseguido, logo após, pela autoridade, pelo ofendido ou por qualquer pessoa, em situação que faça presumir ser autor da infração;

Já o flagrante presumido é aquele no qual alguém é encontrado, logo depois, com instrumentos, armas, objetos ou papéis que façam presumir ser ele autor da infração.

2 – Retratação da Representação

Comum nas provas de processo penal a questão afirmar: “A representação será irretratável após o recebimento da denúncia. CAI MUITO!

Porém, de acordo com o código de processo penal no seu artigo 25:
“A representação será irretratável após o OFERECIMENTOda denúncia”. Não caia nessa casca de banana!

3 – Arquivamento do Inquérito Policial

Outra questão recorrente é a que leva o candidato a acreditar que o Delegado de Polícia pode determinar o arquivamento do inquérito policial. Não é verdade!

O arquivamento envolve ato do MP (promoção de arquivamento) e da autoridade judiciária (decisão de arquivamento), não incluindo a autoridade policial no processo decisório sobre o arquivamento, nos termos dos arts. 18, 19 e 28 do CPP.

E, de acordo com o art 17: “A autoridade policial não poderá mandar arquivar autos de inquérito“.

4 – Conceito de “funcionário público” no código penal

São muito cobradas, em provas de concursos, assertivas que restringem o conceito de funcionário público.

Mas o fato é que o conceito é bem amplo, vejamos: […] Art. 327 – Considera-se funcionário público, para os efeitos penais, quem, embora transitoriamente ou sem remuneração, exerce cargo, emprego ou função pública. […]

5 – Funcionário público x equiparado a funcionário público

Outra pegadinha comum, dentro desse mesmo tema, é trocar o conceito de funcionário público com o conceito de equiparação ao funcionário público.

De acordo com o parágrafo primeiro do citado artigo 327: “Equipara-se a funcionário público quem exerce cargo, emprego ou função em entidade paraestatal, e quem trabalha para empresa prestadora de serviço contratada ou conveniada para a execução de atividade típica da Administração Pública”.

6 – Arrependimento Posterior

Não caia nesse golpe da banca! Rsrs.. Tal como o caso citado acima (retratação da representação), há um caso semelhante que pode derrubar um candidato preparado.

No caso do instituto do Arrependimento Posterior, o autor do fato que reparar o dano ou restituir a coisa até o RECEBIMENTO da denúncia, pode ser agraciado com o benefício da redução de pena. Troca-se muito por OFERECIMENTO. Veja:

Art. 16 – Nos crimes cometidos sem violência ou grave ameaça à pessoa, reparado o dano ou restituída a coisa, até o recebimento da denúncia ou da queixa, por ato voluntário do agente, a pena será reduzida de um a dois terços.

7 – Concurso de Pessoas x “ajuste prévio”

Talvez uma das pegadinhas mais clássicas das matérias penais seja “a necessidade de ajuste prévio entre os autores” para a configuração do concurso de pessoas. Fuja! Isso não corresponde com a verdade. Rs..

O que é necessário é o LIAME SUBJETIVO (União de vontades), o que não quer dizer que essa união de vontades tenha sido acordada entre as partes.

Não é necessário que duas pessoas combinem um crime para que haja concurso de pessoas. Basta que ambas atuem contra uma mesma pessoa. Observe:

[…] Art. 29 – Quem, de qualquer modo, concorre para o crime incide nas penas a este cominadas, na medida de sua culpabilidade. […]

8 – Peculato Culposo: extinção da punibilidade ou redução de pena

Uma troca de conceitos pode eliminá-lo do concurso dos seus sonhos. Já pensou nisso? Cuidado!

  • Caso o autor repare o dano ANTES da sentença irrecorrível, EXTINGUE-SE a punibilidade;
  • Caso repare o dano DEPOIS: reduz de metade a pena imposta.
Artigo 312 e seus parágrafos:

[…] No caso do parágrafo anterior, a reparação do dano, se precede à sentença irrecorrível, extingue a punibilidade; se lhe é posterior, reduz de metade a pena imposta. […]

9 – Objeto do crime de peculato é só bem público?

A resposta da pergunta acima é fácil e direta: NÃO! Aqui não tem muito o que explicar, vamos ao artigo:

[…] Art. 312 – Apropriar-se o funcionário público de dinheiro, valor ou qualquer outro bem móvel, público ou particular, de que tem a posse em razão do cargo, ou desviá-lo, em proveito próprio ou alheio… […]

10 – Confissão x exame corpo de delito

Nossa última pegadinha é de processo penal e trata sobre os institutos da confissão e do corpo de delito.

O senso comum nos faz acreditar que a confissão de culpa supre qualquer outra prova. Mas não é bem assim. Uma confissão de crime pode ser falsa com o intúito de protejer alguém, não é mesmo?

Sendo assim, mesmo a confissão, nos casos de crimes que deixam vestígios, não supre a exigência do exame corpo de delito. Confirme:

[…] Art. 158. Quando a infração deixar vestígios, será indispensável o exame de corpo de delito, direto ou indireto, não podendo supri-lo a confissão do acusado. […]

E assim terminamos mais uma matéria para deixar você, aluno e aluna gavião, o mais preparados possíveis e não caírem nas amarradas da sua banca.

Para receber todas as notícias sobre concursos públicos, salve o nosso número e envie uma mensagem com sua(s) área(s) preferida(s) de estudo.

Whatsapp
10 pegadinhas 10 pegadinhas comuns 10 pegadinhas de direito penal 10 pegadinhas de processo penal direito penal processo penal

Maurício Miranda Sá

Jornalista no Direção Concursos e Servidor Público Federal lotado no TSE (Tribunal Federal Eleitoral), estudou Jornalismo, Rádio e TV na UFRN, Publicidade na UNP, Gerenciamento de Projetos pela ESPM e atuou como assessor de comunicação em diversos órgãos e instituições, como o Dnocs (Departamento Nacional de Obras Contras as Secas), Sindifern (Sindicato dos Auditores Fiscais do RN) e, por cinco anos, foi responsável pela divisão de comunicação da empresa Temos Casa e Art Design, produtos que desenvolveu, produziu e dirigiu no Rio Grande do Norte, sendo um complexo de comunicação com programa de TV, programete de Rádio, revista e portal na internet.

SAIBA MAIS