Concursos Abertos Concursos 2022

[EXCLUSIVO] Concurso PF: Cebraspe deverá corrigir 273 redações de cotistas

Maurício Miranda Sá Maurício Miranda Sá comentários
14/10/2021, às 09:26 • 3 meses atrás

Em Ação Civil Pública impetrada pelo Ministério Público Federal (MPF), juiz acatou pedido e determinou que a banca Cebraspe corrija mais 273 redações de candidatos cotistas do concurso PF (Polícia Federal). A informação foi recebida pela equipe de jornalismo do Direção Concursos. Confira:

  • Ademais, cumpre notar que, além do evidente risco de esvaziamento do sistema de cotas no certame público, a interpretação dos réus já causou prejuízo a 273 candidatos negros, que não tiveram as suas provas discursivas corrigidas, em razão da interpretação equivocada adotada pelos acionados (ID 743115973). Com efeito, esses candidatos perderam a oportunidade de prosseguir no certame, apesar de possuírem direito à correção de suas provas discursivas pelo sistema de cotas, o que é suficiente para caracterizar a violação ao princípio da igualdade material (ID 743115973)”.
  • “Com isso, entendo que a interpretação mais adequada da Lei 12.990/2014 e mais consentânea com os direitos fundamentais de inclusão e acessibilidade dos candidatos negros, exige que os candidatos negros aprovados nas provas objetivas, dentro do número de provas discursivas da ampla concorrência, não devem ser computados nas provas discursivas reservadas aos candidatos negros.
  • Desse modo, a interpretação contrária viola a isonomia material do sistema de cotas e possui a aptidão de frustrar os objetivos do sistema de cotas”.

O aprovado em 1° lugar na PRF fez uma escolha antes de iniciar os estudos, sabia?. Clique aqui, veja qual foi a escolha dele e siga o mesmo caminho.

O MPF entendeu que o edital deve prever que os candidatos cotistas do concurso PF (negros e pessoas com deficiência) deverão constar tanto da lista dos candidatos que tiveram a prova discursiva corrigida da ampla concorrência, como também da lista dos candidatos que tiveram a prova discursiva corrigida para as vagas reservadas aos candidatos que se declararam com deficiência ou aos candidatos negros.

Na fundamentação da decisão, o juiz fala sobre a política constitucional afirmativa e sobre o princípio da igualdade material entre os concorrentes do concurso PF e demais seleções públicas:

  • “Com efeito, é inegável que o sistema de reserva de vagas com a aplicação de cotas raciais em concursos públicos, como expressão positiva de política constitucional afirmativa e inclusiva, reveste-se de plena legitimidade constitucional e objetiva efetivar o princípio da igualdade material entre as pessoas, por meio da distribuição equitativa de bens sociais e da promoção do reconhecimento da população afrodescendente”.
  • Por essa razão, o STF reconheceu integralmente a constitucionalidade da Lei 12.990/2014. E a Suprema Corte registrou que o sistema de reserva de vagas deve ser observado tanto nas vagas previstas no edital quanto nas vagas do cadastro de reserva do certame”.

Veja decisão

Quer ficar por dentro de todas as novidades sobre editais de concurso público? O Direção Concursos preparou um grupo no Telegram com as principais notícias policiais. Clique aqui e participe!

todos os cursos direção

Para encerrar, vamos te deixar uma dica. A primeira colocada do concurso da PCDF, Carolina Couto, estudou com o Direção Concursos. A próxima vaga policial pode ser sua. Clique na imagem abaixo e garanta seu material com uma super vantagem:

concurso pcdf

Resumo Concurso PF

  • Concurso PF
  • Banca Organizadora: Cebraspe
  • Cargos Oferecidos: Agente, Escrivão, Papiloscopista e Delegado
  • Escolaridade Exigida: nível superior (Delegado exige Direito)
  • Vagas Disponíveis: 1.500 mil vagas somadas a 500 excedentes em 2022
  • Remunerações iniciais: de R$ 12 mil até R$ 23 mil
  • Link do edital
  • Vade Mecum gratuito concurso PF
  • Edital PF verticalizado
notícias concurso PF
concurso federal concurso pf concurso pf 2021 concurso polícia federal concursos federais pf pf 2021 polícia federal

Maurício Miranda Sá

Jornalista no Direção Concursos e Servidor Público Federal lotado no TSE (Tribunal Federal Eleitoral), estudou Jornalismo, Rádio e TV na UFRN, Publicidade na UNP, Gerenciamento de Projetos pela ESPM e atuou como assessor de comunicação em diversos órgãos e instituições, como o Dnocs (Departamento Nacional de Obras Contras as Secas), Sindifern (Sindicato dos Auditores Fiscais do RN) e, por cinco anos, foi responsável pela divisão de comunicação da empresa Temos Casa e Art Design, produtos que desenvolveu, produziu e dirigiu no Rio Grande do Norte, sendo um complexo de comunicação com programa de TV, programete de Rádio, revista e portal na internet.